A Raça Normando

Uma raça sustentável para uma agricultura sustentável

Durante vários séculos, agricultores da Normandia desenvolveram essa raça excepcional nas pastagens do noroeste da França. Criado em pasto nativo, o Normando é muito bem conhecido pela sua dupla aptidão, produção de laticínios e carne.  Pela qualidade do leite é considerada mundialmente a raça nº1 para produção de queijo e o rendimento de carcaça e o marmoreio são superiores.

O Normando, ao contrário das raças especializadas, preservou a resistência e as qualidades de reprodução, tais como fertilidade, facilidade de parto, bons aprumos, conversão alimentar e diversidade genética. Dessa maneira a produção de leite é realizada sem perder as qualidades essenciais de reprodução.

Dos altos planaltos dos Andes, aos trópicos, Brasil, Bélgica, Irlanda, Japão, África e América do Norte, o Normando provou sua adaptabilidade a uma vasta gama de climas.

Características: fertilidade, aptidão e rusticidade

Invernos lamacentos e frios e dietas simples prepararam o Normando para o pior. Hoje a Normandia se espalhou dos Andes para as costas tropicais da América do Sul para a Irlanda e o Canadá.

O fato de não ter sido selecionada apenas para uma característica, manteve excepcionais qualidades normalmente perdidos por raças especializadas, tais como fertilidade, facilidade de parto, bons aprumos e resistência geral. O pelo grosso e crespo assegura uma boa proteção contra o frio, enquanto os anéis dos olhos são eficazes contra o sol no verão. A raça também mostra docilidade notável que facilita muito o manejo. Além disso, apresenta taxas excepcionais de conversão alimentar continuamente melhoradas com a seleção contínua. Finalmente, criado a pasto nativo durante séculos, mostra excelente capacidade de pastoreio.

 A raça francesa de queijos

         As vacas Normandas em sistemas de alta alimentação forrageira produzem em média entre 6.350 kg a 6.800 kg de leite por lactação com 3,6% de proteína e 4,4% de gordura. Muitas vacas produzem mais de 9.000 kg e algumas chegam a 13.000 kg. Esses resultados não refletem a origem genética da raça, onde mais de 90% animais são portadores do gene Kappa B Caseína e 82% dos touros pais possuem o genótipo BB. Sabe-se que os níveis dessa caseína (beta e kappa) melhoram a qualidade do leite na fabricação do queijo.  Além disso, o leite apresenta uma proporção favorável de cálcio / fosfato e a micela de caseína de pequeno diâmetro, resulta em rendimentos de queijo 15 a 20% mais altos, dependendo do tipo de fabricação. Na França, a raça está associada à produção de queijos famosos como Camembert, Pont-Lévêque e Livarot.

Ideal para cruzamentos de leite

        Muitos produtores de leite buscam o efeito máximo da heterose e estão optando por uma vaca mais funcional e de baixa manutenção como o Normando. Estudos feitos na França mostraram que os cruzamentos de F1 tendem a estar acima da média das duas raças para leite, mas mais próximos do Normando quanto aos componentes do leite. Mais estudos são necessários para confirmar essa observação. Como a endogamia está se tornando um problema para as raças leiteiras, há um grande futuro para o Normando nos cruzamentos na indústria de laticínios por causa de sua combinação de rusticidade, fertilidade e qualidade do leite.

Uma raça de dupla finalidade

A raça, além do uso em laticínios, sempre apresentou fortes qualidades de dupla finalidade. Na França é conhecido por sua insuperável qualidade, sabor e maciez, e recebe regularmente testes cegos por seu sabor.

Nos EUA, os touros Normandos ganharam testes de desempenho muitas vezes e as carcaças têm sido as primeiras em grandes mostras de carne. Vacas de descarte, bois e bezerros podem fornecer benefícios adicionais para o criador, principalmente nas pequenas propriedades.

A raça tricolor

O Normando é uma vaca vermelha e branca com áreas generalizadas de pelos castanhos. Normalmente tem a aparência de listras de tigre, tigrados dourados, intercalados com as manchas vermelhas com um grau de equilíbrio entre os três tons diferentes. No entanto, uma cor geralmente domina. Na maioria, os touros tendem a ser negros (malhados), mas nunca são realmente negros. O Normando é uma raça vermelha homozigota e tende a escurecer à medida que envelhecem.

Fonte: site www.normandegenetics.com